Em último programa, poucas horas antes de morrer, Boechat analisou ‘sucessão de tragédias no Brasil’
A contundência do discurso de Boechat provocou repercussão nas redes sociais após a morte do jornalista/ Foto: Reprodução

No programa exibido na Rádio BandNews FM na manhã desta segunda-feira, 11, poucas horas antes do acidente de helicóptero, Ricardo Boechat analisou a “sucessão de tragédias no Brasil” a partir de uma reportagem publicada no jornal O Globo.

A publicação fez uma lista de dez casos trágicos ocorridos no país. A contundência do discurso de Boechat provocou repercussão nas redes sociais após a morte do jornalista:

“O que a gente tem que colocar em cima da mesa, como sociedade, é se a gente quer continuar lidando com essas tragédias pranteando-as no início e esquecendo-as logo depois”, disse o jornalista, em referência às tragédias de Brumadinho e do centro de treinamento do Flamengo.

“Temos uma velha tradição de deixar pra lá e tocar adiante. A negligência e a impunidade marcam as tragédias no país. O jornal mostra 1764 mortes em situações que são de responsabilidade do estado, no campo da prevenção e da fiscalização, do legislador, do judiciário. E quando a gente chora, sofre, lamenta o fato que ocorreu ontem, a gente parece estar anestesiado, ou gostar de anestesia que nos faz esquecer desse fato tão logo surge o fato de amanhã, que terá o mesmíssimo tratamento”, ressaltou.

Políticos e autoridades lamentam a morte trágica do jornalista  

Em nota, o Planalto manifestou seu luto. O texto ressalta a dedicação de Boechat ao trabalho.

“O País perde um dos principais profissionais da imprensa brasileira. Sentiremos a falta de seu destacado trabalho na informação da população, tendo exercido sua atividade por mais de quatro décadas com dedicação e zelo”, diz o texto.

O presidente Jair Bolsonaro prestou solidariedade à família do jornalista em sua conta no Twitter.

É com pesar que recebo a triste notícia do falecimento do jornalista Ricardo Boechat, que estava no helicóptero que caiu hoje em SP. Minha solidariedade à família do profissional e colega que sempre tive muito respeito, bem como do piloto. Que Deus console a todos!

O jornalista Datena falou ao vivo emocionado sobre o amigo de emissora. “Com profundo pesar desses quase 50 anos de jornalismo, queria informar a vocês que o jornalista, companheiro, o maior apresentador da TV brasileira morreu no acidente de helicóptero no Rodoanel, em São Paulo. Ele estava em Campinas. O helicóptero que ele estava não chegou ao seu destino que era o heliponto da Band. Caiu no Rodoanel”, disse.

@GeneralMourao

Manifesto meus sentimentos às famílias de #RicardoBoechat e do piloto do helicóptero, aos profissionais da Rede Bandeirantes, rádio e televisão, extensivos à classe jornalística, pela triste notícia do acidente que os vitimou. Deus no comando.

@RodrigoMaia

Recebo com tristeza a informação sobre a morte do jornalista Ricardo Boechat e do piloto do helicóptero que caiu nesta manhã. Boechat foi um dos grandes comunicadores do nosso país e uma referência de bom jornalismo e independência. Minha solidariedade a seus familiares e amigos.

@davialcolumbre

Foi em estado de consternação e tristeza que recebi a notícia da morte inesperada do jornalista Ricardo Boechat. Era um profissional reconhecido pelo trabalho e senso crítico aguçado revelado nos principais meios de comunicação do país.

Dias Toffoli 

Em nota, o presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) lamentou a morte do jornalista e afirmou que “a imprensa e a sociedade brasileira estão em luto pela perda desse excelente profissional que com dinamismo e versatilidade levava a notícia aos públicos mais diversos”.

Raquel Dodge 

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, afirmou em nota que “o silêncio de Boechat será eloquente e sentido em todo o país, porque ele fazia a crítica séria e necessária que caracteriza o bom jornalismo, e é tão necessário para a democracia. Seus ouvintes e leitores sempre contaram com sua coragem e seu discernimento para compreender os movimentos da política e da gestão pública, em análises focadas na ética e na transparência. É, por isso, uma perda significativa para o jornalismo brasileiro”.

João Otávio de Noronha 

O presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça) também manifestou suas condolências aos familiares. Noronha disse que ao longo de sua carreira, Boechat “construiu uma história marcada pelo profissionalismo, pela imparcialidade e pelo cultivo dos valores mais caros ao jornalismo, como a ética e o combate à corrupção”.