Eduardo Boigues denuncia perseguição, promete aposentar ‘picaretas’ e diz que vai colocar pressão no governador
Eduardo Boigues participou nesta sexta-feira do “Café na Redação”/ Foto: Marcelo Prado Jr.
Prefeitura de Mogi

O delegado da Polícia Civil, Eduardo Boigues, que é candidato ao cargo de deputado estadual pelo PP, participou nesta sexta-feira, 14, do “Café na Redação”.

Na entrevista, que teve a duração de aproximadamente 90 minutos e contou com a participação do público (que enviou diversos questionamentos ao delegado e candidato), Boigues garantiu estar preparado e motivado para renovar a política da região por meio de uma atuação parlamentar efetiva e focada em resultados – isso no caso de ser eleito para uma das 94 cadeiras da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo (Alesp).

Eduardo Boigues começou a entrevista falando de sua trajetória pessoal, profissional e política. Ele destacou o intenso trabalho que conduziu entre 2006 e 2016 a frente do Setor de Homicídios da Polícia Civil em Itaquá e falou dos motivos que o levaram a concorrer em 2016 para o cargo de prefeito em Itaquá.

Boigues ficou em segundo lugar naquela eleição,  sendo derrotado pelo atual prefeito Mamoru Nakashima (PSDB) que conseguiu a reeleição. Eduardo Boigues afirmou ter sido alvo de perseguição política que teria sido promovida/patrocinada pelo grupo do prefeito reeleito.

De acordo com o convidado desta sexta-feira do “Café na Redação”, o fechamento do Setor de Homicídios em Itaquá teria sido ‘armado’ por Mamoru que agiu nos bastidores do governo do Estado para afastá-lo da política na cidade.

Eduardo Boigues observou que o grupo político do atual prefeito, ao promover a perseguição de uma nova liderança política na cidade, provou a sua vocação para fazer à velha politica.

Boigues garantiu que sua candidatura para deputado estadual é para valer e que não está pensando na eleição à prefeitura de Itaquá em 2020.

Ele assegurou que pretende desenvolver (no caso de ser eleito) um mandato revolucionário, pois inverterá as prioridades e agendas dos velhos deputados e políticos e que representam a região do Alto Tietê ‘apenas da boca para fora’.

“Não tenho rabo preso com ninguém, não devo nada para ninguém e vou cumprir o meu papel de deputado que é o de fiscalizar o governo do Estado e cobrar o governador seja ele quem for. Quero ser deputado para colocar pressão no próximo governador do Estado, por meio de um trabalho sério, transparente e comprometido com o povo de Itaquá e da região”, ressalta.

Ainda de acordo com o candidato, sua pretensão é de instalar frentes parlamentares e trabalhar em parceira com outros deputados e com os prefeitos. “Meu objetivo é o de aposentar e acabar com a carreira de políticos picaretas que estão ocupando cargos públicos (eletivos) faz 15 ou 20 anos e produziram resultados medíocres para a nossa região que está em péssima situação em razão da falta de representação politica séria e de investimentos do governo do Estado e também do governo federal e para mudar essa situação”.

“Quero trabalhar em parceira com deputados federais, especialmente com o Guilherme Mussi. Ele é presidente do PP e encarna tudo aquilo que acredito na política. O Mussi não tem nada a ver com o velho PP do Paulo Maluf (ex-prefeito e deputado). Ele iniciou um processo importante de renovação na política e vou aprofundar esse processo com trabalho e resultados que vão melhorar a vida de quem mora em  nossa região”, explicou Boigues.

Durante a entrevista, que pode ser assistida na íntegra no site e no Facebook do Oi Diário, o candidato Boigues falou de suas ideias e propostas para as áreas da saúde, segurança, transporte público, educação e geração de empregos.