E quebra o pau no PSL; Joice e Eduardo Bolsonaro trocam farpas. ‘Tio’ Olimpio tenta enquadrar a deputada
Na conversa de WhatsApp, Eduardo, atual líder da bancada na Câmara, acusa a deputada de "atropelar" os correligionários, a chama de "sonsa" e diz que ela tem "fama de louca"/ Foto: Glaucia Paulino/Oi Diário

O senador eleito Major Olimpio (PSL-SP) colocou na conta da deputada federal eleita Joice Hasselman (PSL-SP) a discussão por WhatsApp entre os membros da futura bancada do partido do presidente eleito, Jair Bolsonaro, no Congresso.

Reproduções do bate-boca pelo aplicativo de mensagens chegaram à imprensa na quinta-feira, 6, e segue repercutindo especialmente nas redes sociais onde as pessoas que não ‘curtem’ o PSL criticam a falta de postura de Joice e Eduardo Bolsonaro.

“A bancada do PSL não está em conflito. Não há conflito de todos contra um, é só um se adequar”, afirmou Olimpio nesta sexta-feira, 6, depois assentindo que se referia a Joice.

Presidente do PSL no Estado, o senador falou com jornalistas ao chegar à solenidade de formatura de oficiais da Academia da Força Aérea em Pirassununga, no interior de São Paulo. Dias Toffoli, presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) e o general Joaquim Silva e Luna, ministro da Defesa, também apareceram no evento.

Jair Bolsonaro também tinha confirmado presença, mas desistiu de última hora para preservar a saúde, disse o presidente eleito em seu perfil no Twitter.

Filho de Bolsonaro, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) entrou em uma discussão com Hasselmann sobre a disputa da liderança do partido na Câmara. Ela tem articulado pela função e participa das negociações da formação do novo governo.

Na conversa de WhatsApp, Eduardo, atual líder da bancada na Câmara, acusa a deputada de “atropelar” os correligionários, a chama de “sonsa” e diz que ela tem “fama de louca”.

Em meio à troca de farpas, em um dado momento a deputada deu um basta na situação. “Eduardo, não admito nem te dou liberdade para falar assim comigo, ou escrever algo nesse tom. Não te dei liberdade pessoal nenhuma, portanto, ponha-se no seu lugar”.

Isso porque a deputada sentiu-se ofendida quando o filho de Bolsonaro sugeriu que a correligionária chegaria ao Congresso com “com fama ainda maior de louca”.

Acusação prontamente rebatida por Hasselman. “Minhas discussões aqui são políticas e não pessoais. Se formos discutir a questão ‘fama’ a coisa vai longe”, rebateu Joice, acusando o filho do Bolsonaro “agir como um bebê no jardim de infância”.

Em seguida, Eduardo rebate as mensagens de Joice em que ela diz tentar falar com o deputado, mas que ele “marca e some”.

“Você não espera que eu vá correr atrás de você depois disso tudo que está acontecendo e ainda dando uma de sonsa aqui”, disse ele, que completou. “Joice, a sua fama já não é das melhores. A continuar assim, vai chegar com fama ainda maior de louca no Congresso”.

Foi quando Joice decretou o fim do “bate boca”, alegando que não havia dado liberdade pra ele. “No mais, falamos pessoalmente porque não vou alimentar essa molecagem. Isso aqui não é Jardim da infância em que marmanjo age como bebê. Vamos em frente. Vamos agir como adultos”, afirmou a deputada.

Olimpio afirmou que os deputados eleitos do PSL estão todos unidos. Questionado sobre quem seria a melhor liderança para o governo na Câmara, elogiou Eduardo Bolsonaro e o atual vice-líder da sigla, Delegado Waldir.

Para o Senado, defendeu que o senador eleito Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), também filho do presidente eleito, fique na liderança.

“Se houve manifestação no imaginário dela de que não existia liderança e que só ela é capaz de exercer, isso é um grande equívoco. Joice sempre fala por ela, não pelo partido”, afirmou o senador eleito.

Quem vazou a conversa do WhatsApp, para Olimpio, foi Joice. “Não tenho dúvida. Alguém tem?”, indagou aos jornalistas.

O senador eleito não se manifestou sobre quando será a nomeação do futuro ministro do Meio Ambiente, última pasta em aberto na futura esplanada de Bolsonaro. Disse apenas que o presidente eleito analisa cinco nomes e que “se Deus quiser será um paulista” – origem de dois cotados para a vaga, Xico Graziano e Ricardo Salles.