Dr. Boigues declara votos em Doria e Bolsonaro, diz que vai comandar o GARRA e reforça o seu amor por Itaquá
Eduardo Boigues participou nesta terça-feira, 16, do “Café na Redação”/ Foto: Glaucia Paulino/ Oi Diário
Guararema Mirante Novembro

O delegado da Polícia Civil, Eduardo Boigues, 42 anos, participou nesta terça-feira, 16, do “Café na Redação” onde fez um balanço de sua participação na eleição para deputado estadual.

Candidato a uma das 94 cadeiras da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo pelo PP, Boigues recebeu 48.456 mil votos e apesar da expressiva votação acabou não sendo eleito em razão do coeficiente eleitoral exigido pela coligação pela qual o PP participou da eleição para deputado.

O policial não escondeu a sua frustação, pois teve mais votos que 17 candidatos que conseguiram ser eleitos, mas agradeceu a todos os eleitores de Suzano e da região que acreditaram em suas propostas de campanha.

Boigues revelou que ainda nesta terça-feira, 16, assumiria o comando do  Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos (GARRA) na região do Alto Tietê. O GARRA é um grupo especializado do Departamento de Investigações Criminais (DEIC) da Polícia Civil.

“Recebi do doutor Jair (delegado seccional de Polícia no Alto Tietê) essa nova missão e estou assumindo esse que é um grupo de elite da Polícia Civil que atua no patrulhamento ostensivo e repressivo em toda a região”.

“Em comparação a estrutura que tinha no Setor de Homicídios, vou ter o dobro de viaturas e de policiais e certamente os resultados serão melhores”, argumentou o delegado que por mais de dez anos comandou o  Setor de Homicídios na região.

Boigues assegurou, entretanto, que vai continuar fazendo política nas horas vagas e que pretende ajudar a população de Itaquá a ter mais qualidade de vida, seja na função de deputado ou de prefeito.

“No caso de o Doria ganhar a eleição para o governo de SP, existe a possibilidade de eu assumir como deputado, pois sou o oitavo suplente da nossa coligação e o Doria poderá puxar muitos deputados para ocupar funções no governo e aí vou ter a chance de mostrar o meu trabalho como deputado”.

“Em relação a prefeitura de Itaquá avalio que ainda é cedo para fazermos projeções sobre a eleição de 2020, mas posso garantir que vou continuar fiscalizando o atual governo (comandado pelo prefeito Mamoru Nakashima) e lutando em benefício da população”, informou o delegado que lamentou o fato de o grupo político do atual prefeito continuar dispensando a ele um tratamento injusto.

“Quero ajudar a cidade e o governo, mas procuram me tratar como adversário, como inimigo e a cidade só perde com isso. Mais uma vez Itaquá não elegeu um deputado e isso tem a ver com essa falta de compromisso de grupos políticos com a cidade e com o povo”, argumentou.

Boigues declarou seu voto em João Doria. “Acredito que ele é um gestor e que fará a diferença no governo do Estado”.

E também explicou porque votará em Jair Bolsonaro (PSL) para presidente no 2º turno marcado para o dia 28.

“Precisamos mudar de direção, simples assim.  Acredito que é preciso mais disciplina, é preciso focar na família, na educação, na segurança pública. E não estou defendendo que o Brasil tenha um governo militar ou uma ditatura. Se o governo (de Bolsonaro) se mostrar violento, corrupto ou incompetente vamos trabalhar para derrubá-lo, mas neste momento acredito que ele é o mais preparado para colocar o Brasil no caminho do desenvolvimento, da paz e da segurança”, ressaltou Boigues.

Confira toda a entrevista no site e no Facebook do Oi Diário.