Vai Encarar ?

O governador Márcio França (PSB) tomou posse na sexta-feira, em cerimônia realizada na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. França substitui Geraldo Alckmin, que governou o Estado desde 2011 e, anteriormente, de 2001 a 2006. Após assinar o termo de posse e fazer o juramento à Constituição, o governador discursou na tribuna de honra do Legislativo e ressaltou a tradição e a longa trajetória dos paulistas, que sempre contribuíram com o país nos momentos mais decisivos da história.

“O Brasil nunca pôde falar que de São Paulo não partiram as soluções para os seus problemas. Nesse instante, estou convicto que de São Paulo, mais uma vez, vão sair soluções importantes para o Brasil”.

Na sequência, Márcio França e a primeira-dama, Lúcia França, seguiram para o Palácio dos Bandeirantes, onde foram recebidos com honras militares. Na cerimônia na sede do governo paulista, o ex-governador Geraldo Alckmin saudou o governador destacando sua lealdade e dedicação ao desenvolvimento do Estado de São Paulo, e ressaltou que ainda há muito a entregar à população.

“Essa missão cabe agora às boas e competentes mãos do, a partir de hoje, governador Márcio França. Márcio foi um companheiro leal e presente em todos os momentos importantes deste meu governo, desde 2015. Continuará a ser. Sabe o que faz e, tenho certeza, fará um belo e grande trabalho”, afirmou Alckmin.

Depois de receber o pavilhão do Estado, simbolizando a transmissão do cargo, França voltou a discursar e exaltou a lealdade ao governador Geraldo Alckmin e ao seu legado. O governador destacou, ainda, que trabalhará para que todos possam ter as mesmas oportunidades, com igualdade e justiça.

“Que o futuro seja sempre melhor do que foi antes, que todos possam acreditar mais no que são do que no que têm. Que a lei sirva a todos e que não privilegie ninguém. Que as decisões mais importantes possam vir do voto do povo, que a tolerância e a generosidade possam vencer de novo. Que digam com orgulho que moram em uma pátria amada e gentil. Que não fujam da luta e que nunca desistam do Brasil”, disse França.

Que conversa é essa?

Podemos dar um desconto para o discurso de transmissão de governo feito por Márcio França, mas já nesta semana França precisa trocar a poesia da transmissão de cargo por informações objetivas sobre o que vai fazer no comando do governo do Estado até o final deste ano – especialmente para a região do Alto Tietê.

Doria dispara contra o novo governador

O ex-prefeito de São Paulo João Doria (PSDB) afirmou que não tem medo de enfrentamento na disputa pelo governo de São Paulo e que será um “opositor ferrenho” para candidatos que defendam “causas esquerdistas”. “Vou enfrentar os esquerdistas outra vez. Não quero desmerecer ninguém, mas vou para o enfrentamento e não pensem que vou dar moleza para ninguém nem para o Márcio França”, disse ele, no Summit Imobiliário Brasil 2018, promovido pelo jornal O Estado de S. Paulo, citando o sucessor de Geraldo Alckmin (PSDB).

Ele disse ainda que o trabalho realizado na Prefeitura será continuado por Bruno Covas, que não é um “apêndice” e foi eleito com os mesmos votos. “O Bruno Covas vai ser uma grata surpresa para quem não o conhece. É jovem, dinâmico, estudioso, dedicado, aplicado e muito integrado. Tenho tranquilizado nossos interlocutores de que não haverá nenhuma mudança no ritmo que a cidade adquiriu”, disse Doria.

Segundo o ex-prefeito, as propostas liberais que assumiu quando prefeito da cidade de São Paulo serão mantidas por Covas. Afirmou ainda que mantém a mesma postura, de defesa dessas ideias, e que vai levá-las também para a disputa do Governo de São Paulo. “Foi essa razão que me fez sair da Prefeitura e aceitar, parece que foi quase uma imposição do PSDB, para disputar o governo de São Paulo. Essa razão me fez sair da zona de conforto”, disse Doria.