A Anistia Internacional divulgou nesta quarta-feira, 4, uma nota de repúdio à declaração do General Eduardo Dias da Costa Villas Boas, comandante do Exército brasileiro. Ele expressou em seu Twitter na noite de terça-feira um “repúdio à impunidade”, às vésperas do julgamento do Habeas Corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e disse que o Exército estaria “atento às suas missões institucionais”. A OAB também criticou a declaração do militar e falou em “retrocesso”.

O presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia, também se manifestou dizendo que o respeito às decisões da Justiça é fundamental para a democracia do país, “independentemente dos vencedores e dos vencidos”. A nota da Anistia Internacional, divulgada em caráter “urgente”, afirma textualmente que “as declarações do comandante do Exército, General Villas Boas”, são “uma grave afronta à independência dos poderes, ao devido processo legal, uma ameaça ao Estado democrático de Direito e sinalizam um desvio do papel das Forças Armadas no Brasil.

 

Democracia? Que democracia?

Pois é. Qual é a novidade em se ter a democracia em risco; desta vez atacada por um comandante das Forças Armadas? Nunca houve democracia no Brasil e a simples ameaça de um líder popular disputar a eleição e fazer a retomada de um governo popular, já é o suficiente para que nossa democracia de fachada seja atropelada e enterrada de vez pelos ditadores de imprensa, do Judiciário e da política. Esse é o Brasil. Simples e lamentável assim. O pior de tudo é que no final das contas, a culpa pelo fato de o Brasil estar indo de vez ao inferno será de Lula e também do povo.