Coração aberto
Só abrindo verdadeiramente o coração é que nos tornamos capazes de doar e receber carinho, de ensinar e aprender, de entender e praticar a solidariedade, de amar e ser amado/Foto: Divulgação

Se tem uma mensagem que eu gostaria de disseminar cada vez mais ao longo desse ano que acaba de começar é: vamos viver de coração aberto. Pode parecer algo simplório, mas o efeito real no nosso cotidiano é transformador.

Não fomos acostumados assim. Fazemos parte de uma cultura que estimula o espírito competitivo e o individualismo. Dentro dessa lógica, pensamos apenas em nós mesmos e enxergamos a vida somente pelas perspectivas de nossos próprios problemas.

Dessa maneira, não conseguimos enxergar o próximo, não desenvolvemos empatia e também, por receio, acabamos deixando de viver momentos que poderiam ser maravilhosos.

Só abrindo verdadeiramente o coração é que nos tornamos capazes de doar e receber carinho, de ensinar e aprender, de entender e praticar a solidariedade, de amar e ser amado.

Só dessa forma podemos levantar todos os dias, lutar pelos nossos objetivos e não nos deixarmos abater pelo primeiro não recebido.

Por isso, entre as tantas coisas boas que desejo para todos nesse novo ano, começo por essa pequena dica, que é na verdade uma forma de encarar o que vem pela frente. Requer coragem, mas vale muito a pena.

Por mais compaixão e menos conflitos. Por um bem que nasça no campo pessoal, mas se transfira para o coletivo.

Pela prática de não apenas observar a vida, mas efetivamente vivê-la. É por esses e tantos outros motivos que digo: em 2019, vamos viver todo e cada dia de coração aberto!