A mudança para a nova garagem vai ajudar a CooperSuzan a enfrentar e superar outros desafios que vão além da falta de espaço da antiga sede na Vila Maluf. A direção da cooperativa avalia que é chegado o momento de fazer valer a prerrogativa que a licitação promovida em 2009 para a contratação de condutores (individuais) estabeleceu a possibilidade de a CooperSuzan ser reconhecida como a entidade/empresa que represente toda a categoria. Desde que o serviço foi regularizado a concessão é individual, ou seja, para cada um dos 146 condutores que financiaram/compraram sua vãs e prestam o serviço de forma autônoma, embora tenham vínculos com a cooperativa. A decisão de fazer contratações individuais teve a ver (lá em 2009) com a necessidade de garantir a regularização dos motoristas que atuavam de forma clandestina na cidade – e impedir que alguma empresa de vans ou mesmo de micro-ônibus tomasse o lugar dos condutores que deixaram de ser clandestinos. De acordo com presidente da CooperSuzan, Cleiton Virgílio, o edital para seleção dos transportadores autônomos previa/prevê que a cooperativa seja a representante legal/jurídica de todos os operadores do serviço que hoje já fazem parte da entidade: “Estamos pleiteando essa mudança junto ao prefeito Rodrigo Ashiuchi (PR) que tem se mostrado sensível a importância dessa alteração. Hoje quando um condutor comete alguma infração não temos como resolver a situação (aplicar uma punição, se for o caso) porque o contrato é individualizado. O reconhecimento da CooperSuzan só vai trazer benefícios para a prestação dos serviços e está dentro de nossas metas de curto prazo, mas isso depende de um projeto do governo que precisa ser aprovado na Câmara”, explica o presidente da entidade que revelou o descaso do ex-prefeito Paulo Tokuzumi (PSDB) em relação às reinvindicações e necessidades da categoria em Suzano, que também destacou, entre outras questões, a importância de a prefeitura permitir que a frota de vans seja substituída por micro-ônibus, sendo que isso permitiria o transporte de mais pessoas nos horários de pico nas linhas do transporte coletivo na cidade. Leia mais ao lado.00