Prefeitura de Suzano Refis

Quando você pensa em alguém que sofre de depressão, pode imaginar alguém em casa, escondido embaixo das cobertas e incapaz de sair da cama. Mas nem sempre é assim.

Pessoas que sofrem de depressão de alto funcionamento, um dos tipos da doença, são capazes de cumprir seus objetivos, manter uma rotina diária e parecem ter uma vida bem-sucedida, explica Charlene Sanuade, terapeuta clínica do CS Counseling and Therapy. Ou seja, a doença pode estar presente, mas de forma oculta.

Fica difícil ajudar, demonstrar compaixão ou até mesmo reconhecer que a pessoa precisa de ajuda. Mas o apoio é absolutamente vital.  Reportagem da HuffPost Brasil parcialmente reproduzida informa como reconhecer os sinais e ajudar quem sofre desse tipo de depressão, segundo os especialistas.

  1. Eduque-se

Antes de tentar ajudar quem sofre de depressão de alto funcionamento, é melhor educar-se a respeito do assunto.

“Parte da dificuldade desse tipo de depressão é que a pessoa em geral sofre em silêncio”, diz Tanisha M. Ranger, psicóloga e proprietária da Insight to Action LLC.

“Por exemplo, a pessoa pode não estar se acabando de chorar nem ser um poço de tristeza e desespero, pelo menos na sua frente. Mas será que elas não são críticas implacáveis de si mesmas?”, continua Ranger. “Parecem incapazes de sentir ou expressar alegria? São particularmente irritáveis? São perfeccionistas ou parecem incapazes de dar um tempo e relaxar? Todos esses são sinais de que elas podem estar lutando contra esse tipo de depressão particularmente insidioso”.

É importante, no entanto, não tentar fazer o papel do terapeuta nem se considerar especialista.

“Você pode entender as generalidades, mas as dificuldades de cada um são únicas”, explica Ranger. “Educar-se sobre depressão significa entender o que seu amigo está passando. Esteja aberto a ouvir que você não compreendeu tudo e esteja disposto a descobrir o que a outra pessoa está sentido exatamente”.

  1. Ouça e não tente consertar nada 

Tentar consertar as coisas é da natureza humana, mas talvez não seja isso o que seu amigo procura.

“A ânsia de ‘consertar’ os outros vem do nosso desejo de atenuar nossa própria inquietação ou ansiedade. Dê um passo atrás e deixe que a pessoa indique o caminho, no tempo dela”, afirma Sanuade.

Lisa Hutchinson, conselheira de saúde mental em Middleborough, Massachusetts, diz que, se um amigo lhe confidencia o que está sentindo, é melhor deixar que ele fale, sem fazer julgamentos e evitando dar opiniões.

“Ouvir dessa maneira vai permitir que seu amigo sinta sua empatia e encontre suas próprias soluções”, diz Hutchinson.

Ash Nadkarni, psiquiatra associada e instrutora da Escola de Medicina da Universidade Harvard, acrescenta que também é importante reconhecer que uma solução que funcionou para você num cenário específico pode não ser necessariamente adequada para outros. “Todas as pessoas são diferentes”, afirma ela.

  1. Seja específico em seu apoio 

Quando se oferecer para ser parte do sistema de apoio de uma pessoa com depressão de alto funcionamento, é importante explicar exatamente o que você está oferecendo.

“A depressão muitas vezes inclui a sensação de estar sobrecarregado e incapaz de tomar decisões”, diz Cindy Adeniyi, conselheira que atua em Jonesboro, Geórgia. Adeniyi lida com depressão clínica há mais de 20 anos.

Em vez de dizer “me ligue se precisar de algo”, seja mais específico. Ofereça-se para conversar ou diga: “Se precisar de alguém para te levar no médico, me avise no dia anterior que eu te levo”, afirma Adeniyi.

  1. Sugira programas divertidos para vocês fazerem juntos 

Atividades leves e divertidas podem ajudar quem sofre de depressão.© martin-dm via Getty Images Atividades leves e divertidas podem ajudar quem sofre de depressão.

A depressão isola e rouba a energia. Mas conectar-se com pessoas e participar de atividades divertidas ajuda a aliviar os sintomas da doença.

“Sugerir programas divertidos a dois pode fazer muita diferença”, diz Adeniyi. Ela sugere um almoço, um filme ou uma caminhada. O que importa é a atenção individualizada.

“Se você convidar a pessoa como parte de um grupo maior, a tendência é que elas não apareçam, ou então não interajam com os outros”, afirma ela.

  1. Faça as perguntas certas 

Quem sofre de depressão costuma ouvir perguntas como “O que você tem de errado?” e “Por que você não está feliz?”, ou então frases como “Sua vida é incrível” ou “Supere!”. Mas, segundo Erika Martinez , psicóloga baseada em Miami, usar esse tipo de comunicação só piora o estado de quem sofre de depressão. Em vez disso, ela sugere perguntar “O que está acontecendo?”, “de que você precisa para se sentir melhor?” ou “Posso fazer alguma coisa para ajudar?”

  1. Valide sentimentos

Validar os sentimentos de quem sofre de depressão pode ajudar a pessoa a se sentir compreendida.

“A principal coisa que queria que família e amigos tivessem feito é validar meus sentimentos”, diz a YouTuber Cassandra Bankson, 25, moradora de San Francisco. Isso significa que você não pode menosprezar o que as pessoas queridas estão passando.

“Entendo que minha depressão, suas causas e seus gatilhos possam parecer irrelevantes, dramáticos demais ou desimportantes no contexto das vidas das outras pessoas. Mas, para mim, é tudo enorme”, explica Bankson. “Quando parentes e amigos dizem: ‘Não é nada demais’, me sinto mal compreendida e me afasto ainda mais. Foi muito importante ver meus sentimentos validados, ouvir claramente que é OK tê-los e OK pedir ajuda”.

  1. Pequenos atos de gentileza 

Apoiar envolve ter resistência. É importante manter-se firme e ao mesmo tempo dar ao amigo o espaço que ele precisa. Não deixe de procurá-los ou se oferecer para fazer companhia, talvez para cozinhar ou ajudar na arrumação da casa, sugere Nadkarni.

“Lembra quando você era pequeno e seus pais te preparavam um chá ou faziam sua comida favorita quando você estava pra baixo? Ajudar quem está deprimido em casa pode fazer muita diferença”, explica ela.

Nadkarni diz também que esses pequenos atos de gentileza são especialmente importantes para quem sofre de depressão de alto funcionamento porque essas pessoas estão acostumadas a cuidar de outros, mantêm altos níveis de controle e usam mecanismos de defesa como humor ou altruísmo para lidar com sentimentos negativos.

“Oferecer-se para cuidar de uma pessoa pode ajudá-la a tolerar uma eventual sensação de desamparo. E elas também entendem que não há nada errado em não estar no controle o tempo inteiro”.

  1. Não desista

Aparecer só para dar um oi é uma maneira de demonstrar apoio.

Amy Ragan Kearns, 26, teve depressão depois da morte da mãe, em dezembro de 2016. Kearns, que mora em Nova York, disse ter sido importante contar com o apoio incondicional dos amigos e parentes.

“Mostre que a pessoa não está sozinha e que você sempre estará por perto”, diz Kearns. “Simplesmente dar um oi e lembrar a pessoa de que você está pensando nela”.

Kearns acrescenta que a parte difícil de viver com depressão de alto funcionamento é que ela não é um exemplo típico de pessoa que tem doença mental.

“Amigos e colegas do trabalho podem não reconhecer os sintomas, mostrar simpatia ou até mesmo acreditar que você tem depressão, pois não há sintomas tradicionais”, diz ela. “Você não corresponde ao que a sociedade espera de uma pessoa deprimida – não falta no trabalho, não evita atividades sociais e assim por diante. Ter depressão não significa ter problemas na carreira ou não ser bem-sucedida em outras áreas da vida”.