Condemat pede apoio do Estado para cuidar de pessoas em situação de rua. Secretária oferece ‘dialogo’
Segundo o presidente do Condemat, a proximidade com a Capital e o fácil acesso pelo transporte público, ampliam a população de rua nas cidades da Região e os municípios, sozinhos, não conseguem atender uma demanda que é crescente/Foto: Irineu Junior
Prefeitura de Mogi das Cruzes

Em reunião com a secretária estadual de Desenvolvimento Social, Célia Parnes, nesta segunda-feira, 15, o prefeito de Suzano e presidente do Condemat – Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê, Rodrigo Ashiuchi (PR), solicitou o apoio do Estado para o atendimento das pessoas em situação de rua.

Segundo ele, a proximidade com a Capital e o fácil acesso pelo transporte público, ampliam a população de rua nas cidades da Região e os municípios, sozinhos, não conseguem atender uma demanda que é crescente.

Acompanhado da prefeita Fábia Porto, de Santa Isabel, e dos integrantes da Câmara Técnica de Assistência Social do Condemat, o presidente do Consórcio reivindicou também maior investimento do Estado no Alto Tietê na implantação de mais unidades do Bom Prato.

“Com o alto índice de desemprego, é grande a demanda social na Região. Temos o problema das pessoas em situação de rua, que não para de crescer e que o Estado precisa nos ajudar, principalmente com transporte para que os moradores de outras localidades possam ser transferidos para suas cidades de origem”, argumenta Ashiuchi.

“E a procura pelo Bom Prato também aumentou muito com o desemprego e se trata de um programa bem estruturado e que ajuda a população das cidades”, acrescenta o presidente do Condemat.

Foram combinadas reuniões de trabalho entre as equipes técnicas da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (SEDS), que atuam diretamente com as pessoas em situação de rua e com o programa Bom Prato, e os integrantes da Câmara Técnica de Assistência Social do Condemat para avançar na elaboração de um diagnóstico da Região e definir diretrizes para uma parceria mais efetiva entre Estado e Alto Tietê.

“Gosto muito desse arranjo de ações consorciadas”, enfatizou Célia Parnes. “Estamos num processo de reestruturação e abertos ao diálogo para ouvir os municípios e a Região”, acrescentou.

A secretária também discutiu com os representantes do Alto Tietê possíveis mudanças no funcionamento dos Programas de Transferência de Renda (PTRs),  no Benefício Eventual e nos repasses fundo a fundo do Estado para os municípios.

Ela concordou, por exemplo, com a necessidade das prefeituras terem fôlego administrativo para o atendimento de situações não previstas nos orçamentos (caso dos desabrigados por enchentes) e até mesmo para ocorrências comportamentais, numa referência as mortes ocorridas na escola estadual Raul Brasil, em Suzano.

“A secretária tem tido boa vontade em atender os municípios do Alto Tietê. Estamos discutindo a problemática das enchentes e hoje estivemos tratando de  uma pauta prioritária do Condemat para reorganização de repasses e programas assistenciais. A secretária prometeu dar uma olhada com todo carinho para que possamos construir políticas públicas de fato e consolidar o SUAS (Sistema Único de Assistência Social) na Região”, avalia Rodrigo de Freitas Siqueira, coordenador da Câmara Técnica de Assistência Social do Condemat e secretário municipal de Ferraz de Vasconcelos.