A Cooperativa de Trabalho dos Transportadores Autônomos de Passageiros do Alto Tietê (conhecida por todos como CooperSuzan) acaba de inaugurar a sua nova garagem. A base dos motoristas do transporte alternativo de Suzano trocou a acanhada sede que ficava no final da avenida vereador João Batista Fitipaldi (Vila Maluf/Jardim Revista) por uma garagem que principalmente por seu tamanho e localização pode fazer inveja às principais empresas de ônibus que operam no transporte de passageiros em Suzano e cidades vizinhas. A nova garagem da CooperSuzan fica no número 100 da rua Pedro Favali, na Vila Maria de Maggi, na área central da cidade. No local funcionava até o início deste ano uma transportadora de cargas, a Cesari. A reportagem do jornal Oi teve a oportunidade de conhecer o novo espaço da cooperativa dos condutores alternativos da cidade e constatou que a nova garagem torna mais evidente duas coisas: a primeira deixa ainda mais claro o tamanho e importância das vans que transportam cerca de 70 mil passageiros por dia em toda a Suzano e empregam aproximadamente 500 pessoas entre motoristas, cobradores, mecânicos e profissionais de manutenção. A segunda indicação que a nova garagem revela é que a CooperSuzan está pronta e determinada em melhorar a prestação dos serviços aos usuários do transporte coletivo/alternativo e obter o devido reconhecimento e respeito pelos serviços que presta desde 2009 à população suzanense.
Ao contrário da maioria das cidades da região, os usuários de transporte público têm a opção de escolher entre as 146 vans e os cerca de 120 coletivos da empresa Radial Transporte que circulam pela cidade. Tanto a regulamentação do transporte alternativo quanto o ingresso da Radial no transporte de passageiros em Suzano aconteceram nos mandatos do ex-prefeito Marcelo Candido que teve a coragem e a vontade política de colocar fim ao tenebroso monopólio da antiga Viação Suzano (Visul) no transporte de passageiros na cidade. Na conversa com a reportagem do Oi, o atual presidente da CooperSuzan, Cleiton Virgílio da Silva, destacou os motivos que levaram a direção da cooperativa a mudar a sua garagem para a área central da cidade.

‘Novo espaço vai melhorar e agilizar a manutenção das vans’, explica Cleiton 

A nova garagem dos cooperados da CooperSuzan é pelo menos três vezes maior que a sede anterior que fica próxima do rio Tietê na região Norte da cidade: “Com mais espaço e mais estrutura temos aqui a possibilidade de ampliar e acelerar os serviços de revisão das mais de 140 vans que circulam na cidade. Temos uma equipe com dez pessoas, incluindo mecânicos com larga experiência, que fazem a manutenção de toda a frota. O abastecimento dos veículos também está mais rápido. Essas novidades garantem mais segurança aos motoristas, cobradores e aos usuários e esse é o grande objetivo dos investimentos que estamos fazendo”, ressalta o presidente da cooperativa. Leia mais abaixo sobre o assunto.

Motoristas e cobradores terão mais treinamentos e capacitações

Suzano também facilitará a aplicação de cursos de capacitação e treinamentos aos motoristas e cobradores, que, vez por outra, são alvos de reclamações e críticas de usuários.
Sem contar que nos últimos meses ocorreu um aumento na rivalidade entre condutores dos ônibus da Radial e integrantes da cooperativa:
“Preparamos um auditório que será usado para a aplicação de cursos e treinamentos. É prioridade para nós oferecer um atendimento de excelência aos usuários. Hoje oferecemos um serviço que é reconhecido pela população, mas podemos e queremos torná-lo mais eficiente e humanizado”, destaca Virgílio a Silva que estará à frente da cooperativa até o final deste ano. Leia mais na página ao lado.

Cooperativa dos perueiros luta contra o preconceito e para ser reconhecida como empresa

A mudança para a nova garagem vai ajudar a CooperSuzan a enfrentar e superar outros desafios que vão além da falta de espaço da antiga sede na Vila Maluf. A direção da cooperativa avalia que é chegado o momento de fazer valer a prerrogativa que a licitação promovida em 2009 para a contratação de condutores (individuais) estabeleceu a possibilidade de a CooperSuzan ser reconhecida como a entidade/empresa que represente toda a categoria. Desde que o serviço foi regularizado a concessão é individual, ou seja, para cada um dos 146 condutores que financiaram/compraram sua vãs e prestam o serviço de forma autônoma, embora tenham vínculos com a cooperativa. A decisão de fazer contratações individuais teve a ver (lá em 2009) com a necessidade de garantir a regularização dos motoristas que atuavam de forma clandestina na cidade – e impedir que alguma empresa de vans ou mesmo de micro-ônibus tomasse o lugar dos condutores que deixaram de ser clandestinos. De acordo com presidente da CooperSuzan, Cleiton Virgílio, o edital para seleção dos transportadores autônomos previa/prevê que a cooperativa seja a representante legal/jurídica de todos os operadores do serviço que hoje já fazem parte da entidade: “Estamos pleiteando essa mudança junto ao prefeito Rodrigo Ashiuchi (PR) que tem se mostrado sensível a importância dessa alteração. Hoje quando um condutor comete alguma infração não temos como resolver a situação (aplicar uma punição, se for o caso) porque o contrato é individualizado. O reconhecimento da CooperSuzan só vai trazer benefícios para a prestação dos serviços e está dentro de nossas metas de curto prazo, mas isso depende de um projeto do governo que precisa ser aprovado na Câmara”, explica o presidente da entidade que revelou o descaso do ex-prefeito Paulo Tokuzumi (PSDB) em relação às reinvindicações e necessidades da categoria em Suzano, que também destacou, entre outras questões, a importância de a prefeitura permitir que a frota de vans seja substituída por micro-ônibus, sendo que isso permitiria o transporte de mais pessoas nos horários de pico nas linhas do transporte coletivo na cidade.

Presidente diz que preconceito aos motoristas e cobradores não faz sentido

O jornal Oi questionou o presidente da CooperSuzan sobre atritos entre os condutores do transporte alternativo e motoristas da empresa Radial. Ele garantiu que diversas reuniões foram promovidas pela entidade para entender e resolver as divergências entre os trabalhadores alternativos e os funcionários da Radial: “Infelizmente ainda sofremos muito preconceito por parte da sociedade. Existem problemas pontuais que resolvemos com muita rapidez. Hoje os operadores do serviço são capacitados e trabalhamos em busca da excelência. Não faz mais sentido a repetição de críticas que eram feitas aos motoristas e cobradores no passado”, diz Cleiton Virgílio.

Sistema de transporte em Suzano serve de referência à região, avalia Cleiton

Nas avaliações do dirigente da CooperSuzan o transporte coletivo em Suzano precisa ainda de muitos ajustes, mas, apesar das dificuldades os serviços prestados hoje à população podem ser considerados exemplares na comparação, por exemplo, com a qualidade e oferta dos serviços prestados atualmente aos moradores de Poá e Ferraz. Nestas duas cidades persiste o monopólio de uma única empresa de ônibus.