O vereador de Ferraz, Claudio Roberto Squizato (PSB), afirmou ao Oi que está satisfeito com o trabalho que desenvolveu neste primeiro ano de mandato na Câmara de Ferraz: “Atuei em todas as áreas, fiscalizei o governo, propus soluções e pretendo intensificar o trabalho em 2018”, destacou o vereador que conseguiu fazer a diferença em um Legislativo que parece ter se acostumado com a irrelevância e com o desprezo dos ferrazenses. Ao contrário de Squizato que regularmente presta contas do seu trabalho, a maioria dos ‘representantes’ do povo preferem se esconder em uma cidade que, neste final de ano, poderá contar uma história inédita em todo o Alto Tietê. Ferraz tem dois ex-prefeitos (Dr. Jorge e Filló) presos por conta irregularidades que levaram a prefeitura de Ferraz à falência. Atualmente o povo de Ferraz (cerca de 200 mil habitantes) sofre com serviços públicos precários e falta de perspectivas para o futuro, uma vez que o governo municipal não demonstra estar à altura dos desafios da cidade. De forma enfática, Squizato disse que cobrou melhorias nos serviços de saúde, questionou a demora da prefeitura em fechar os milhares de buracos abertos em ruas e avenidas de Ferraz, além de apoiar os professores da rede municipal por melhores condições de ensino e preservação de direitos dos servidores da Educação.

Prefeito ‘lerdo’ x otimismo
Squizato disse que o prefeito de Ferraz poderia ter sido mais efetivo em 2017, mas pondera que Zé Biruta encontrou um cenário de terra arrasada e por esse motivo era ‘preciso dar um tempo’ ao veterano prefeito: “Em 2018 o prefeito e o governo precisam ser mais pró- ativos, tem de elaborar projetos, buscar recursos e fazer a cidade crescer. Isso não aconteceu neste ano, mas estou otimista porque a prefeitura já está iniciando o processo para contratação do serviço tapa-buracos e a revisão do código tributário aprovado pela Câmara faz pouco tempo, irá aumentar a arrecadação e o governo terá condições de melhorar os serviços públicos”, argumentou.