Uma Comissão Especial de Investigação (CEI) foi aberta na Câmara de Vereadores de Salesópolis para investigar se houve irregularidades no curso oferecido pelo Serviço Nacional de Apredizagem Rural (Senar) na cidade em dezembro do ano passado.

De acordo com o site G1, no total foram 6 votos a favor e 5 contra a investigação, na sessão na noite de segunda-feira. A denúncia, que já foi levada ao Ministério Público, aponta que foram incluídos na lista de presença nomes de pessoas que nunca participaram do evento, por meio de assinaturas falsificadas.

Segundo o vereador Rodolfo Marcondes (PDT), um dos que pediram a abertura da CEI, o recurso é transferido à prefeitura de acordo com o número de participantes. Outra denúncia é da contratação de serviços para montagem de uma tenda que não teria sido de fato instalada.

Com a abertura da CEI, o próximo passo é uma reunião para os vereadores levantarem documentos. Depois o prefeito Vanderlon Oliveira Gomes, o coordenador do Senar, a secretária de Agricultura e as pessoas que tiveram assinaturas falsificadas serão ouvidas.  No início de março, o prefeito de Salesópolis afastou um funcionário envolvido nas denúncias de irregularidades do evento.

‘Alunos fantasmas’ 

Segundo o vereador do PDT, a lista de presença tinha cerca de 100 nomes de participantes, mas uma foto do evento mostra uma plateia bem menor. Na lista, assinada pelo prefeito Vanderlon Gomes, o vereador identificou pelo menos seis moradores de Salesópolis que não participaram do evento, metade parentes dele. “O recurso vem de acordo com o número de participantes. Então provavelmente para receber uma quantidade maior de recursos, colocaram vários participantes, inclusive até o meu pai falecido”, afirmou na ocasião o vereador.

Quando se posicionou sobre o assunto, no começo de março, o prefeito Vanderlon afirmou que, além de um funcionário ter sido afastado, uma sindicância foi aberta para apurar o caso.

“Vale ressaltar que nós não pactuamos como nenhum tipo de conduta dessa natureza. Tanto é que tomamos todas as providências. Eu também fui pego de surpresa, sou vítima como a sociedade”, justificou o prefeito no início do mês.

Sobre a assinatura dele, atestando uma lista de presença supostamente falsa, Vanderlon afirma que também foi vítima. “Eu estou afirmando para você, que a minha assinatura, eu acredito pelo tamanho que está naquela ficha, não é uma assinatura oficial, uma assinatura original”, informou.  “Nós estamos apurando para ver o que ocorreu. Então se houve falsificação da minha assinatura, tanto é que nós já abrimos um processo administrativo, lavramos boletim de ocorrência, estamos com sindicância em andamento e estamos apurando tudo. E se houve irregularidade, nós vamos apurar os fatos e encaminhar aos órgãos competentes”, destacou.

É quase certo que essas apurações deverão respingar nos candidatos do PR à deputado na região do Alto Tietê. Especialmente Marcio Alvino e André do Prado que tem trabalhado para levantar recursos para Salesópolis. Vanderlon pode ser 100% inocente, mas foi ao menos omisso por permitir tais lambanças bem embaixo do seu nariz.  A conferir.