Candidatos do Novo se comprometem em mandar mais dinheiro aos municípios e dizem que a legenda disputará as prefeituras da região em 2020
Diogo da Luz e Luiz Bucciarelli, candidatos (respectivamente) a senador e deputado federal pelo Partido Novo participaram nesta quinta do “Café na Redação”/ Foto: Marcelo Prado Jr.

Diogo da Luz e Luiz Bucciarelli, candidatos (respectivamente) a senador e deputado federal pelo Partido Novo participaram nesta quinta-feira, 27, do “Café na Redação” e transmitiram informações esclarecedoras sobre os projetos e estratégias do partido que foi fundado em 2011 e teve seu registro aprovado pela Justiça Eleitoral em 2015.

Da Luz e Bucciarelli destacaram as principais diferenças entre o Novo e os partidos considerados tradicionais e afirmaram que a legenda pretende ter representantes e candidatos a prefeito em todas as cidades do Alto Tietê na eleição de 2020.

Eles observaram que um bom desempenho do partido na votação do próximo dia 7, especialmente com a eleição de vários deputados federais,  poderá acelerar o crescimento do partido no Estado de São Paulo.

Os candidatos deixaram bem claro, entretanto, que o partido não abre mão de selecionar integrantes e candidatos que sejam qualificados e plenamente identificados com as ideias e propostas que o Novo defende para tirar o Brasil da atual crise política, econômica e social.

Os entrevistados explicaram que o Novo não recebe e não aceitará dinheiro do governo federal (no caso do fundo partidário) e que o partido é e continuará sendo bancado por seus filiados que pagam uma mensalidade de R$ 28 para a manutenção da legenda.

Luz e Bucciarelli falaram sobre o intenso programa de capacitação política e chamaram a atenção para a principal diferença do Novo em comparação com os partidos considerados tradicionais, que para os entrevistados, praticam a velha política e não atendem mais as necessidades e interesses da sociedade.

“Não temos compromissos com partidos, com grupos políticos ou grupos empresariais. Vamos defender os interesses e necessidades das pessoas e dos indivíduos que estão cada vez mais desamparados por causa da força do Estado que cobra impostos demais e devolve serviços públicos de menos”, destaca o candidato ao Senado Federal.

Ele acredita ter boas possibilidades de ser eleito para a segunda vaga que o Estado de São Paulo tem direito no Senado. Hoje as pesquisas indicam que o ex-senador Eduardo Suplicy deverá ficar com a primeira vaga para representar SP.

Durante a Live, Luz chamou Suplicy de tiozinho e afirmou não acreditar na possibilidade de os paulistas elegerem dois senadores representantes da velha política. “Nós somos a nova política na teoria e na prática e acredito que serei eleito”.

Diferentemente de praticamente todos os outros candidatos (de vários partidos) que participaram das entrevistas no Oi Diário desde o início do processo eleitoral, Bucciarelli e Da Luz garantiram que o Partido Novo é comprometido com uma revisão urgente e efetiva no pacto federativo no que se refere à divisão do bolo tributário.

Eles asseguraram que no caso de o candidato do partido (João Amoedo) ser eleito presidente, a Constituição Federal será alterada para que os municípios tenham mais autonomia política, administrativa e financeira e que antes de uma mudança constitucional o governo (no caso de Amoedo ser o presidente) vai tomar medidas rápidas (ainda no primeiro ano de governo) para que os municípios tenham mais recursos financeiros. Confira toda a entrevista no site e no Facebook do Oi Diário.