Doria é visto no PMDB e em parte do DEM como um potencial candidato à Presidência em 2018
Prefeitura de Mogi das Cruzes

Os adversários do prefeito de São Paulo, João Doria, nas prévias que definirão o candidato tucano ao governo de São Paulo acusam o diretório estadual da legenda de favorecê-lo na disputa. A direção do partido nega, segundo reportagem postada no site da revista Isto É.

O cientista político Luiz Felipe d’Ávila e o secretário estadual de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro, que disputam a vaga, dizem que a distribuição das urnas na eleição interna do próximo domingo privilegiou militantes da capital, administrada por Doria, em detrimento do interior do Estado.

“Há uma sub-representação no interior, houve claramente uma tendência de ampliar o poder da capital. Isso está claríssimo. Foi uma estratégia construída com consentimento da Executiva”, disse Pesaro.

Segundo o secretário-geral do PSDB de São Paulo, César Gontijo, serão colocadas 73 urnas em cidades do interior e outras 58 em diretórios zonais da capital – onde Doria tem mais força política. “Não é verdade que está havendo favorecimento. O diretório está agindo de forma totalmente igualitária”, declarou.

Luiz Felipe d’Ávila disse que militantes do PSDB com cargos públicos na prefeitura da capital estariam sendo “constrangidos” pelo grupo do prefeito.

Ainda segundo o cientista político, Doria está fazendo “um teatro” ao não assumir publicamente sua pré-candidatura. “Vai ter outro teatro hoje”, disse. Nessa segunda-feira, aliados do prefeito levariam até à sede do partido cerca de 1,5 mil assinaturas de apoio à pré-candidatura de Doria.

Em seguida, deveria haver uma reunião da direção do partido para definir os detalhes do pleito. A expectativa é que Doria aparecesse e admitisse pela primeira vez que está na disputa. No mesmo horário da reunião do partido, os outros três pré-candidatos (Pesaro, d’Ávila e o ex-senador José Aníbal) fariam um debate em uma universidade da capital paulista.

De acordo com o presidente do Diretório Municipal do PSDB, vereador João Jorge, aliado de Doria, seria “impossível” realizar debates em todos os municípios do Estado. “Você já imaginou se cada diretório nos 645 municípios de São Paulo quiser fazer um debate? É insano”, disse. O secretário-geral do partido no Estado afirmou ainda que pelo menos um debate deve ser organizado oficialmente pelo diretório antes de domingo.