‘professor’ defende Bolsonaro e é agredido com ‘voadora’ no centro de SP
A polarização e a guerra ideológica no País têm chegado a níveis alarmantes/ Foto: Divulgação
Prefeitura de Mogi das Cruzes

Uma briga entre um apoiador de Jair Bolsonaro (PSL) e militantes contrários ao candidato deixou um ferido na noite de segunda-feira, 8, no centro de São Paulo.

Segundo testemunhas, um grupo gritava “Ele não” (em referência ao movimento contrário a Bolsonaro) quando o professor Gilberto de Mattos, 53, gritou “Ele sim”.

A partir daí, Mattos teria entrado em um debate com uma mulher, contrária a Bolsonaro, e dado um empurrão nela. Foi quando um amigo dela reagiu com uma “voadora” que derrubou Mattos, segundo as testemunhas. O professor bateu com a cabeça no chão e teve um sangramento.

Ele ficou deitado à espera do resgate por quase uma hora, mas estava consciente e se comunicava com a mulher e o filho, que estavam no local. A família mora na região. O filho, Gilberto de Mattos Filho, 26, afirma que o pai não agrediu a mulher e que “câmeras de segurança vão provar que ele foi vítima de uma agressão”.

Enquanto ele falava com a reportagem, seu pai gritava revoltado, desde o chão, que seu agressor não havia sido nem sequer algemado. Enquanto isso, sua mulher tentava acalmá-lo.

Todos foram levados pela polícia para depor, e o professor agredido, socorrido. Enquanto aguardavam o resgate, formou-se uma aglomeração de curiosos que passavam pela região e que formavam um debate paralelo entre apoiadores e contrários ao candidato.

Uma mulher, que não quis se identificar, dizia que, se Bolsonaro fosse eleito, a violência ficaria ainda pior. Em outro grupo, outras duas pessoas comentavam que o candidato do PSL resolveria a violência e que o agressor a essa hora já estaria na cadeia.